Enem e Sisutec: entenda a diferença entre cada sistema

Você ouviu falar no Sisutec, mas não entendeu para o que ele serve?

Comentaram que para participar, é necessário fazer o Enem e isso só complicou a sua vida?

Não se preocupe!

Aqui você vai entender como os resultados do Enem estão diretamente ligados ao Sisutec.

Vamos explicar tudo sobre o objetivo e a diferença de cada um deles e dar dicas de como participar. Confira!

A diferença entre Enem e Sisutec

O Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec) é um sistema do Governo Federal, gerenciado pelo Ministério da Educação, que oferece vagas gratuitas para o ensino técnico.

O Sisutec é a melhor maneira de ingressar no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

Podemos dizer que o Sisutec funciona como um vestibular para o Pronatec.

As vagas pleiteadas através do Sisutec são destinadas aos candidatos que cursaram o Ensino Médio em escolas públicas ou estudaram em escolas privadas, como bolsistas integrais.

Os concorrentes podem escolher até duas opções de cursos técnicos e o Sistema respeita a Lei de Cotas brasileira.

O Sisutec oferta vagas para cursos técnicos de três tipos diferentes.

A primeira opção é o curso técnico integrado ao nível médio, em que o estudante acompanha o conteúdo técnico junto com o currículo regular.

A segunda opção é o curso concomitante, em que o ensino regular acontece em um turno e o técnico em outro.

Já a terceira opção é o curso subsequente, que é destinado àqueles que já concluíram o ensino médio, logo na sequência da conclusão do currículo regular.

É importante estar atento à diferença entre o Sisutec e o Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Embora a plataforma utilizada seja a mesma, os Sistemas oferecem vagas em tipos de cursos diferentes.

Enquanto o foco do Sisu são os cursos de bacharelado, licenciatura e técnicos de nível superior, no Sisutec o objetivo é oferecer vagas de cursos técnicos em nível médio, com no máximo 1.200 horas de duração.

Onde entra o Enem?

Para fazer a inscrição no Sisutec, o candidato precisa ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) mais recente e ter tirado a nota da redação acima de zero.

Na hora da seleção, o Sistema utiliza a modalidade convencional de concorrência, considerando o número de vagas ofertadas para cada curso, e seleciona os estudantes com melhor nota.

Por isso, fazer o Enem é obrigatório para se inscrever no Sisutec.

Embora os dois sejam atividades diferentes, eles são complementares.

Como se inscrever no Sisutec?                       

O Sisutec abre vagas todos os anos e a matrícula é amplamente divulgada pela imprensa brasileira.

Além disso, as novidades também estão no Facebook e no Twitter.

Não deixe de estar informado a respeito.

Compartilhe com os seus amigos essa informação.

Você ou um deles podem ser os próximos selecionados!

Entenda mais

Em geral a reestruturação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) ampliou as possibilidades para os estudantes que terminam o segundo grau a entrarem em uma universidade.

Várias instituições de ensino passaram a adotar o Sisu (Sistema de Seleção Unificada) – que utiliza as notas do Enem – aceitando essas como forma de seleção parcial ou integral, o que fez aumentar a procura e consequentemente as notas dos participantes: no Sisu 2015, por exemplo mais de 9,5 milhões de candidatos concorreram a mais de 205mil vagas.

Porém aquele aluno que não conseguiu nota suficiente para entrar na universidade pelo Sisu, não precisa se desesperar pois ainda outras possibilidades e pode recorrer a outras duas formas alternativas aos vestibulares tradicionais: uma é o Prouni (Programa Universidade para Todos) e a outra é o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).

E agora eu vou esclarecer um pouco a diferença entre essa outras formas de seleção:

Sisu – Sistema de Seleção Unificada

Bem, resumidamente esse é o sistema informatizado criado pelo Ministério da Educação, por meio do qual as instituições públicas de ensino superior passaram a oferecer as suas vagas aos candidatos que participaram do Enem em todo Brasil.

Esse sistema foi elaborado para selecionar os candidatos com a utilização da nota do Enem em sua única fase de processo seletivo.

A seleção é feita pelo Sistema com base diretamente da nota obtida pelo candidato.

No site, os candidatos podem consultar as vagas disponíveis, pesquisando as instituições e os seus respectivos cursos participantes. 

Prouni – Programa Universidade para Todos

Muito utilizado por aqueles que não conseguiram se beneficiar pelo Sisu, esse sistema oferece, para estudantes de baixa renda, bolsas de estudo integrais ou parciais – quando o estudante precisa arcar com 50% das mensalidades do curso – em faculdades ou universidades particulares.

Também escolhe os candidatos com base na pontuação obtida pelo Enem: dessa forma é necessário ter feito pelo menos mais de 450 pontos na prova, e não ter tirado nota zero na redação.

Assim, para participar, o candidato precisa ter feito todo o ensino médio em escola pública ou em uma instituição de ensino particular como bolsista.

E para concorrer à bolsa integral, é preciso comprovar uma renda bruta familiar por pessoa de 1,5 salário mínimo no máximo.

Já para as bolsas parciais, a renda familiar deve ser de no máximo até 03 salários mínimos por pessoa.

Fies – Fundo de Financiamento Estudantil

Além dos sistemas já apresentados, existe ainda um outro programa, elaborado também pelo Ministério da Educação, o qual financia a graduação na educação superior de estudantes matriculados em instituições particulares.

Para tanto, podem recorrer ao financiamento do FIES, os estudantes matriculados em cursos superiores que tenham obtido avaliação positiva nas avaliações do MEC.

Desde 2010, o  Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) passou a ser o operador do Programa e os juros caíram para 3,4% ao ano. Além disso, passou a ser permitido ao estudante solicitar o financiamento em qualquer período do ano, de acordo com a sua necessidade.

Todas as inscrições são feitas pelo seu sistema próprio o SisFies (Sistema Informatizado do Fies), disponível para acesso detro do site do próprio Fies.

Os estudantes que fazem sua graduação pelo Fies passam por 03 fases até quitarem seus todo o seu financiamento:

Fase de utilização: Que ocorre durante o período do curso, é quando o estudante pagará, a cada três meses, o valor máximo de R$ 50, referente ao pagamento de juros incidentes sobre o financiamento.

Fase de carência: Acontece após a conclusão do curso, e o estudante terá 18 meses de carência para recompor seu orçamento. Nesse período, o estudante precisará pagar, a cada três meses, o valor máximo de R$ 50, referente ao pagamento de juros incidentes sobre o financiamento.

– Fase de amortização: Encerrado o período de carência, o saldo devedor do estudante será parcelado em até três vezes o período financiado do curso, acrescido de 12 meses. Ou seja, se o curso feito teve a duração de quatro anos, ele terá 13 anos para quitar o saldo.

O estudante que conseguir apenas uma bolsa parcial (50% da mensalidade) no Prouni pode custear a outra parte por meio do Fies sem necessidade de apresentar fiador.

Bem, para finalizar percebemos que muitas são as opções para o aluno concretizar a sua formação e o seu currículo em uma faculdade federal ou particular.

Cabe agora a você escolher qual programa fazer e investir nos seus estudos para utilizar aquele sistema que mais irá te beneficiar!

Seja Aprovado em Qualquer Concurso!

Espero que tenha conseguido esclarecer um pouco mais sobre as diferenças entre o Enem e Sisutec.

E você, tem alguma dúvida sobre a relação entre Enem e Sisutec?

Caso tenha surgido alguma dúvida, compartilhe aqui nos comentários que iremos tentar te ajudar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.